26 de mar de 2009

Malva e Camomila




Vendo um tipo de amor

que acontece nos sonhos

nos nossos sonhos
um tipo de amor
que acalma a pele

tipo camomila,
ou malva

ou quem sabe os dois juntos

Vendo. Mas não entrego
A não ser no sono
onde as nuvens tem sabores
E o ar é doce
E eu sou para você,
o que você é para mim

Perfeitos. Um para o outro

--
Tainã Moura Alcântara

24 de mar de 2009

"When I fall in blog"


Eu sou super ocupada. Ocupada-ocupada.

Não do tipo que se acha ocupada. Eu sou. Ponto.

Tempo exíguo. Grande coisa, vc nem me conhece.

Aí um dia eu tropecei no seu blog. E, tentei ser blasé, juro.

Mas tropeçar no teu blog me empurrou com força pra um descaminho.

Então fiquei aqui sentada.

Pra que eu não morra soterrada pelas palavras que eu não blogo, eu te escrevi.

Não é uma missiva, talvez, um suspiro.

Pronto, agora posso ir.

Aninha TS por email


Oi Ana,
Não tive certeza que impressão meu blog te causou
mas fiquei feliz que embora você seja muito ocupada
teve tempo de parar para ler as palavras que as vezes escrevo,
as vezes sinto e as vezes publico
e mais, ter algum tipo de reação.
Um blog de fotografia que eu visito sempre tem como lema causar emoções
acho que acabei adotando esse para mim também
Enfim... desculpa a demora da resposta
Mas eu também "sou super ocupada. Ocupada-ocupada."
Queria pedir licença para publicar teu email
Embora já imagine que a resposta seja não
Se você quisesse publicá-lo teria comentado no blog
Mas não custa

Embora não te conheça queria te dizer que gostei de receber teu email.
Obrigada
Tainã Alcântara - Resposta, também por email.

2 de mar de 2009

Rostos álgidos



Nos últimos dias eu tenho visto o desenho discorrer

Leve, como sempre

Quase dançando

Mas agora visível, audível

Claramente... assustadoramente

Como não vi antes?

Essa é a hora da queda

Queda de máscaras

Enquanto o gis perpassa nossas mentes,

enquanto o gis perpassa nossas almas

Gritando em nós rostos feios,

Desenhando frios, álgidos, pálidos

Faces cansadas que tentam fazer ciência

sem ciência, aciência, paciência, consciência

Sim, hoje eu vejo!

E lamento muito. Por mim!

Lamento as escolhas que fiz

E agora só posso assumir minha sina que (des)construí

admitindo que estou com medo.


Tainã Alcântara