25 de ago de 2011

Parece veneno



Não possuo nenhum encanto
Capaz de resistir a rotina
Eu morro de amores, e tantos
Ser intenso é minha sina

"Parece veneno" mas é só minha face real
"Parece sereno" Mas é só o que sobrou do final

Não tenho duvidas de que isso irá passar
E no final nada disso terá sentido
mas agora só consigo lamentar (em rimas fracas)
por mais uma vez ter sido tão previsivel!

Vou me repetindo nos meus erros
não poderia ser mais patético
só superado pela minha crendice
de que é possível ter um amor crédulo

Pouca coisa doi mais que um fim
um fim hipotético
sem começo, sem meio
só o fim e nada mais

Tainã Alcântara


Grito Piano
Perece veneno, mas é só o amor no final
Um gesto pequeno, tentando curar todo o mal
Não é bem, não é dom, falar de você noutro tom
Me faz mal não te ter, calado eu não vou viver

Vai! Não olha pra trás, se o que eu estou vivendo é demais
pra você, então me deixa em paz
Vai! Me deixa viver, não diz o que devo fazer
Vou gritar até não mais poder

Parece sereno, mas a ira escondida é gigante
Um grito piano, potente e estonteante
Me deixou demente, perdi o que era importante
Pra você meu viver, tratava-se de enlouquecer

Vai! Me deixa gritar, meu grito ainda vai te provar
Que sou eu, com quem deves sempre estar
Vai! Gritar é tão bom, eu te levarei ao meu tom
Abre tua mente e vem gritar.


Wadson Filho

Um comentário:

Anna "Vivi" Virgínia disse...

É, exatamente, como se você estivesse transformando em palavras tudo o que sinto. Bonitas Palavras!