30 de jun de 2008

Desilusão

RED FISH -Foto de Anna Fracassi in (http://xupacabras.weblog.com.pt/)

Não sei o que está acontecendo. Também não sei se quero saber. O fato é que nosso país, assim como outros na América Latina, passou por momentos muito difíceis a pouco tempo atrás. Não era permito falar o que pensávamos, cantar o que queríamos, lutar pelo que achávamos certo. Hoje temos em lei (ao menos) esses direitos assegurados. Tudo o que temos hoje, foi graças a luta de pessoas que não aceitavam a situação como estava, pessoas que foram mortas, pessoas que foram torturadas e que hoje são tratadas como qualquer um. Como se não fizesse diferença. Como quaisquer, como eu, que não vivi esse período tão triste e devastador de nossa história.

Cresci engajada nos movimentos políticos. Buscando da minha forma, já que não vivi a Ditadura Militar, melhorar os níveis sociais que podia, colocando e lutando para colocar, pessoas que não disseminassem o medo nem a submissão, no poder. Pessoas essas, julgando eu, que mudaria de uma vez por todas o sistema hipócrita e ridículo do coronelismo e currais eleitorais. Pessoas que eu acreditava serem dignas, dotadas de valores, que não fizessem ser esquecidas as histórias dos que lutaram por nós, e que me mostraria que essa luta (a deles e a minha) teria valido a pena.

Mas, alguém (não me lembro quem) já disse uma vez: "Quer conhecer um homem, dê poder a ele". Não sei o quão cegas as pessoas podem se tornar dependendo o tanto de poder que detêem. O que sei é que acreditava que a Esperança venceu o medo, quando me dei conta que o medo só renasceu e as pessoas que lutavam foram renegadas e os mesmos hipócritas assumiram o governo vermelho. Não é mais vermelho. Não tem mais ninguem d vermelho! Os Ditadores, coronéis e generais estão de volta... disfarçados de mocinhos. Vestindo estrelas. Quando os militantes se esquecem e vão sendo esquecidos, desitem.

Não quero isso pra mim, nem pra meu estado, nem pra meu município. Mas agora não basta eu querer. As pessoas ainda estão com medo. E a esperança acaba de entrar em coma profundo. Estou completamente, absolutamente desiludida. Sinto-me presa, sem ar, afogando. É muito triste ter que dizer, mas o MEDO vence mais que o bem.


Tainã Alcântara

2 comentários:

Ruizito disse...

Esse coma da esperança tende a durar por muito tempo
quando vc vê que:
quem está interessado não ganha eleição
quem ganha eleição não está interessado
quem ganha eleição e está interessado se desinteressa quando assume...

não é possível que o eleitorado seja tão "inocente"
estamos cansados de ouvir que "melhoramos muito mas ainda há muito a melhorar"
o que podemos fazer quanto a isso?
fiscalizar! seja pela internet (o pouco que nos deixam ver), seja pessoalmente (visite a câmera de vereadores de sua cidade ou a assembléia do seu estado e veja que faz algo, quem está presente, quem representa), o certo é que que boa vontade vc muda um pouco...
com boa vontade e com muita gente vc consegue mudar bem mais...

Tainã Alcântara disse...

a parte complicada eh o muita gente...