30 de mar de 2008

Cansei de ser Plausível



Enquanto eu lia
meu pensamento formulava frases inconstantes
para um texto sobre você
Enquanto eu lia, ouvia Chico
E queimavam alguma coisa lá fora
minhas frases inconstantes tornavam-se nubladas
como as chamas que invadiam meu quarto, contra a minha vontade
trazendo o calor e a intensidade do fogo
em forma de nuvens cinzas
Pensei em muitas coisas
em como reagira quando te visse de novo
O que te diria caso você perguntasse como eu estive
esse tempo todo em que você permaneceu longe, frio, distante
tão oposto ao fogo que ardia no terreno ali do lado
Lembrei de nossos momentos juntos, mesmo contra a minha vontade
quisera que tivesse sido só aquilo
e hoje estaria sentada escrevendo sobre outra coisa
mas tudo o que leio ou penso
me faz formular frases estúpidas, em espécies de metáforas
que liguem você e eu.

Provavelmente nunca juntarei todas as frases
inconstantes, imprecisas, incoerentes, em um texto
um texto que colocaria em meu blog
e provavelmente aqueles que gostam de mim e/ou do que escrevo
diriam: - Mais um texto lindo Tai. Aonde você arruma inspiração?
E eu responderia com frases vagas a respeito do eu-lírico
me livrando da culpa de meus sentimentos
me livrando de você
E assim tudo ficaria bem. Comportado.
Plausível!
Mas cansei de ser Plausível
E cansei de me sentir burra
não quero saber mais em que parte da minha estrada está (esteve) seu caminho
Não faz mais diferença
realmente acredito, mesmo contra a minha vontade, que eles jamais deveriam ter se encontrado. Pelo menos não da forma como foi.

Enquanto eu lia, não deixava de pensar em você
Chico, Caetano e Oswaldo pareciam sempre saber o que aconteceu entre nós
e tudo me tocava de forma cortante
só aumentando a raiva que eu tinha de mim
Por ainda reagir assim a uma situação como essa
Não me entenda mal, não te quero mal
Também não se trata de não te querer mais
Não te quero pra mim agora
Não posso mudar, nem interferir em sua história
não posso tomar uma decisão que cabe a você
não posso mais fazer de conta que não existe essa situação
e não quero mais ela pra mim!
Não mais, não agora, nem mais nunca.

Tainã Alcântara


Se Puder Sem Medo
Oswaldo Montenegro

Deixa em cima desta mesa a foto que eu gostava
Pr'eu pensar que o teu sorriso envelheceu comigo
Deixa eu ter a tua mão mais uma vez na minha
Pra que eu fotografe assim meu verdadeiro abrigo
Deixa a luz do quarto acesa a porta entreaberta
O lençol amarrotado mesmo que vazio
Deixa a toalha na mesa e a comida pronta
Só na minha voz não mexa eu mesmo silencio
Deixa o coração falar o que eu calei um dia
Deixa a casa sem barulho achando que ainda é cedo
Deixa o nosso amor morrer sem graça e sem poesia
Deixa tudo como está e se puder, sem medo
Deixa tudo que lembrar eu finjo que esqueço
Deixa e quando não voltar eu finjo que não importa
Deixa eu ver se me recordo uma frase de efeito
Pra dizer te vendo ir fechando atrás da porta
Deixa o que não for urgente que eu ainda preciso
Deixa o meu olhar doente pousado na mesa
Deixa ali teu endereço qualquer coisa aviso
Deixa o que fingiu levar mas deixou de surpresa
Deixa eu chorar como nunca fui capaz contigo
Deixa eu enfrentar a insônia como gente grande
Deixa ao menos uma vez eu fingir que consigo
Se o adeus demora a dor no coração se expande
Deixa o disco na vitrola pr'eu pensar que é festa
Deixa a gaveta trancada pr'eu não ver tua ausência
Deixa a minha insanidade é tudo que me resta
Deixa eu por à prova toda minha resistência
Deixa eu confessar meu medo do claro e do escuro
Deixa eu contar que era farsa minha voz tranqüila
Deixa pendurada a calça de brim desbotado
Que como esse nosso amor ao menor vento oscila
Deixa eu sonhar que você não tem nenhuma pressa
Deixa um último recado na casa vizinha
Deixa de sofisma e vamos ao que interessa
Deixa a dor que eu lhe causei agora é toda minha
Deixa tudo que eu não disse mas você sabia
Deixa o que você calou e eu tanto precisava
Deixa o que era inexistente e eu pensei que havia
Deixa tudo o que eu pedia mas pensei que dava

Escute a música aqui

7 comentários:

Caio Tiago disse...

Isso foi uma reclamação beeeeem sutil da falta de criatividade dos comentários ou você tava chateada?
:|

Tainã Alcântara disse...

nãaaao, não tem nada haver com os comentários!
foi só um jeito de dizer que não queria ser superficial e vaga, criando textos que falam tão pouco de mim e ao mesmo tempo só sobre mim!
Eu adoooooooooooooooro os comentários!! ^^

Carol Sá disse...

"Mais um texto lindo Tai. Aonde você arruma inspiração?" :P

É assim mesmo esse tipo de situação acaba se tornando inevitavel. Não que isso sirva de consolo, mas eh a verdade...
Só não se sinta estúpida nem burra, essas duas palavras não existem no dicionário da sua classificação de personalidade. uhauhaa eita porra q nem eu entendi direito o q eu escrevi! mas eh isso mesmo.
bjus

Tainã Alcântara disse...

não tenho certeza... deve ter alg haver com um eu-lirico! hauaha

brigada loh!

lulu2s disse...

Você não é, não foi, nem nunca será vaga e superficial...
Quando se escreve, a inspiração não vem do nada, tudo tem seu contexto... Alguns podem n saber, não entender, ou até não querer entender... Neh?!
Mas adoro o que você escreve, e como você escreve... Adoro seu jeito de transformar como você diz: " Frases inconstantes" em algo tão bonito!
E o mais lindo dos textos, é o que há por trás dele!

Te amu

Luh

Melquisedeck disse...

Eu tava na tua casa esse dia ai que tu escreveu esse texto? hehehehehhehhe.

Tainã Alcântara disse...

nops nops!! ahuhaua
era outra coisa que tava queimando!